Carlos Vergara | Liberdade - as aquarelas | 27 maio - 6 ago | 2011

"Os desenhos em aquarela – feitos na urgência que a mão pede quando o artista não está em seu ateliê – e seu desdobramento nas grandes telas são caminhos que o ajudaram a esvaziar a escuridão do tema investindo na profusão de cores e formas. Surgem pinturas em que a imposição da escuridão é sempre perfurada por uma luz cujo sol atravessa paredes inteiras. É a luz da janela que se tornou buraco depois da implosão dos prédios e invade o trabalho de Vergara. Essa mesma luz que criou a prisão e se apaga para sempre quando estamos dentro dela.”

Frederico Coelho